Qui, 21 de Setembro, 2017
Zoom

O Uso da Psicoengenharia na Conscientização do Trabalhador Brasileiro Destaque

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

- Campanhas de Prevenção de Acidentes -

O engenheiro de segurança do trabalho Celso Luis de Oliveira aborda neste artigo a prática da Psicoengeharia. Descreve a utilização da Psicoengenharia na conscientização dos trabalhadores por meio de campanhas de prevenção.

 Após a publicação do artigo sobre a Psicoengenharia, venho recebendo diversos e-mails e ligações solicitando maiores informações sobre essa ciência, sim, ciência, pois, interpreta de forma estruturada as várias informações estudadas em ciências distintas, tais como: Psicologia, Engenharia, Ergonomia, Antropologia, etc.

O princípio básico da Psicoengenharia é utilizar as informações e dados levantados por essas diversas ciências, de forma integrada, na realidade empresarial, buscando, assim, a máxima eficiência e eficácia de cada uma delas.

A Psicoengenharia não é apenas uma ferramenta para evitar acidentes, mas, é um conceito mais amplo de gestão empresarial, que visa otimizar diversas áreas da empresa, como por exemplo: Qualidade, Produtividade, Segurança do Trabalho, etc.

Para demonstrar as afirmações anteriores, vou explorar um exemplo prático, as “Campanhas de Prevenção de Acidentes”.

A Campanha é um dos meios de maior eficácia para obter a conscientização do trabalhador. Mas, por que obter a conscientização do trabalhador? Isso é importante?

É claro que é importante, o principal aliado que se pode ter para a eliminação de acidentes, é o próprio trabalhador, mas, é necessário que esse esteja consciente do seu papel frente à segurança e à prevenção.

As campanhas para conscientização, sobre qualquer que seja o assunto, são uma grande ferramenta e, como é facilmente confirmado, funcionam muito bem. Mas, podem funcionar melhor. COMO? Aplicando a Psicoengenharia.

Explicando melhor, campanhas são atividades com fundo psicológico, baseadas no envolvimento de grupos de pessoas, indo além, envolvimento de um grupo com grande número de pessoas devido ao poder de adesão que a mesma apresenta e, todo esse potencial, em curto espaço de tempo. Como já foi dito: é uma grande ferramenta. Mas, os resultados podem ser maximizados se levarmos em conta os estudos antropológicos. O que a Antropologia tem haver com o assunto? Por que para se conseguir um melhor resultado, a execução das campanhas deve ter como base a realidade do trabalhador brasileiro. É necessário saber trabalhar com o homem brasileiro. Ele tem características próprias, de personalidade, diferentes do europeu, do americano e do asiático.

Segundo a antropologia o homem brasileiro tem como características básicas, ser oral e auditivo. Segundo a psicologia, esse mesmo homem, é emotivo, ativo e tem como uma das características mais forte o fato de ser concreto.

Fantástico! Impressionante! Mas, e daí? O que isso quer dizer?

Quer dizer que integrando as informações das duas ciências, podemos concluir que o aprendizado do homem brasileiro, a sua incorporação das idéias, em resumo a conscientização acontece pelo ouvido e pela boca, e não visualmente como ocorre com os europeus. O brasileiro precisa reunir-se, discutir, para o seu aprendizado e desenvolvimento. Para ele a comunicação somente é real quando falada e ouvida. Aceita mais facilmente fatos que conceitos, tem orgulho, ou seja, veste a camisa com mais intensidade, dá grande importância à chefia direta e necessita de solenidades. Leva sua família, sua vida para dentro da empresa.

Em resumo, o homem brasileiro precisa sentir-se participando, sentir-se parte integrante do todo. Necessita contato oral direto, olhos nos olhos e tem que estar junto, acompanhando o andamento dos fatos.

Tomando conhecimento dessas características, através da psicologia e da antropologia, fica-se em condições de definir as atitudes necessárias para desenvolver campanhas com mais eficiência e eficácia.

Portanto, no desenvolvimento de programas de conscientização é necessário considerar o que foi exposto, ou seja, lembrar sempre que a comunicação deve ser oral, e quando obrigatório escrever, faze-lo através de sentenças curtas, com o uso de ilustrações, marcações de destaque, etc.. Outro ponto a se considerar é que, como o homem brasileiro necessita de solenidades, é muito importante a ocorrência de “festinhas” com discursos de pessoas influentes, como, por exemplo, o presidente da empresa, com “comes e bebes”, assim ele terá algo para ingerir, e digerir, junto com as informações que estão lhe sendo passadas. Por último é preciso desenvolver métodos para levar a família para dentro da empresa e a empresa para dentro de sua casa, sendo essa interação vital para o seu comprometimento com os valores da empresa.

Ainda dentro dessa visão, é grande a importância das chefias, pois, faz parte do dia-a-dia do trabalhador, é elemento de confiança, servindo de exemplo e o mais importante, como a comunicação deve ser oral, a chefia é o principal agente de multiplicação, possibilitando a “mão dupla” das informações, ou seja, o caminho de ida e de volta dessas informações dentro da pirâmide organizacional.

Seguindo as recomendações descritas, é possível ter certeza de atingir um melhor nível de conscientização dos trabalhadores brasileiros, com muito mais chances de resultados positivos, tanto na transmissão como na retenção dos objetivos que se pretende alcançar e, principalmente, na disseminação dos efeitos esperados. Outra vantagem é que estará sendo preparado o clima para próximas campanhas, pois, os trabalhadores estarão ansiosos por outros eventos.

Com esse exemplo prático mostra-se que a Psicoengenharia, por meio de análises e ações multidisciplinares, busca a excelência no ambiente empresarial, agindo na prevenção de ocorrências desagradáveis, nas diversas áreas, e integrando os aspectos humanos, materiais e organizacionais.

Ler 440495 vezes Última modificação em Qui, 17 Janeiro 2013 09:32
Celso Luis de Oliveira

Engenheiro elétrico e de segurança do trabalho

Website.: www.laborclin.med.br